Para melhoria da reabilitação física dos hemofílicos, CER/APAE reabre piscina aquecida

Após dois anos parados, por conta da pandemia, os pacientes hemofílicos retornam à piscina do Centro Especializado em Reabilitação (CER/APAE), para melhoria da reabilitação física, com hidroterapia (hidroginástica) e natação.

Duas vezes na semana, durante 1 hora, os adultos com hemofilia praticam hidroterapia (hidroginástica) e as crianças, natação. As aulas são realizadas pela Profissional de Educação Física do Hospital Regional, Sandra Duailibi, na piscina aquecida, cedida pelo CER/APAE.

De acordo com o Presidente da Associação das Pessoas com Hemofilia de Mato Grosso do Sul (APHEMS), Neder Santos, existem 180 hemofílicos no estado.

Neder também explica que por conta da pandemia, as pessoas com hemofilia ficaram sem a hidroterapia e acabaram perdendo musculatura. “Acabamos perdendo muita musculatura e por conta das atrofias, vamos perdendo a condição de andar e vai ficando mais difícil. Voltando a fazer esse fortalecimento, conseguimos ter uma qualidade de vida melhor. Essa parte de fortalecimento é muito importante, pois acaba diminuindo os quadros de sangramentos nas articulações. Estamos começando do zero, após dois anos parados, mas bem animados. Todos estamos agradecidos ao CER/APAE pela cedência da piscina”, agradeceu.

O bebê Matias Mota Müller, de 1 ano e 3 meses, compareceu à aula de natação pela primeira vez. Ele estava acompanhado da sua mãe Juliana Mota Müller e sua avó.

Juliana conta que a família descobriu a doença de Matias quando ele tinha apenas 6 meses. “Foram aparecendo muitos roxos nele. No início, chegamos a achar que os irmãos mais velhos estavam beliscando ele por ciúmes, até que resolvemos procurar um hematologista que suspeitou da hemofilia”, contou a mãe.

A mãe relata que a família perdeu o chão quando diagnosticaram que Matias tinha hemofilia. “O que me confortou mais foi saber que o meu filho pode ter qualidade de vida. Eu tenho essa consciência, comecei a estudar bastante sobre o assunto. Espero que tudo dê certo, estou bem confiante com a profilaxia (tratamento preventivo, que já são distribuídos pela Rede Hemosul MS) e a medicação. Eu e o pai dele fazemos tudo que está ao nosso alcance e o Neder também tem nos ajudado bastante”, explicou.

Hemofilia

A hemofilia é um distúrbio na coagulação do sangue. Por exemplo: Quando cortamos alguma parte do nosso corpo e começa a sangrar, as proteínas (elementos responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento de todos os tecidos do corpo) entram em ação para estancar o sangramento. Esse processo é chamado de coagulação. As pessoas com hemofilia, não possuem essas proteínas e por isso sangram mais do que o normal.

A hemofilia é classificada nos tipos A e B. Pessoas com Hemofilia tipo A são deficientes de fator VIII (oito). Já as pessoas com hemofilia do tipo B são deficientes de fator IX. Os sangramentos são iguais nos dois tipos, porém a gravidade dos sangramentos depende da quantidade de fator presente no plasma (líquido que representa 55% do volume total do sangue).

É mais provável a hemofilia ocorrer em homens. Ela é uma doença genética, transmitida pela mãe para os filhos.

Geralmente, os sangramentos são internos, ou seja, dentro do seu corpo, em locais que não pode ver, como nos músculos. E também, externos, na pele, provocado por algum machucado aparecendo manchas roxas ou sangramento. As mucosas (como nariz, gengiva, etc.) também podem sangrar.

Os sangramentos podem tanto surgir após um trauma ou sem nenhuma razão aparente.
Os cortes na pele levam um tempo maior para que o sangramento pare.

No dia 19 de abril, foi inaugurado o Ambulatório de Coagulopatias da Rede Hemosul MS. O ambulatório funciona na unidade do Hemosul do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, no período da tarde, conforme demanda dos pacientes e agendamento da equipe multiprofissional, como Hematologista, Ortopedista, Fisioterapeuta, Profissional de Educação Física e Enfermagem.

Hidroterapia

A hidroterapia, também conhecida como fisioterapia aquática ou aquaterapia, é uma atividade terapêutica que consiste na realização de exercícios dentro de uma piscina com água aquecida. Ela reduz as forças de compressão articular e promove o relaxamento muscular. É ainda um meio favorável para realizar o fortalecimento muscular, condicionamento físico, além de promover o movimento total da articulação acometida.

Para fazer a hidroterapia no CER/APAE, os pacientes hemofílicos devem procurar a Associação das Pessoas com Hemofilia de MS.

*Com informações da FIOCRUZ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.